15
Jun 09

Um empresário chinês foi detido esta semana no Porto Santo pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), três meses depois de ter sido visado por um abaixo-assinado subscrito por empresários da ilha.

A operação culminou em Tribunal na passada quarta-feira com a aplicação da medida de coacção de identidade e residência até a sua expulsão, e teve como primeira consequência o encerramento da loja de pronto-a-vestir onde trabalhava com familiares e que tanto deu que falar na ilha.

Três meses antes, quando o comerciante se preparava para abrir o negócio, 90% dos empresários porto-santenses do ramo de pronto-a-vestir e acessórios puseram a circular um abaixo-assinado contra a abertura de mais uma loja chinesa.

"Uma invasão"que "põe em risco os estabelecimentos existentes e os postos de trabalho", dizia o documento entregue na autarquia porto-santense. O abaixo-assinado chegou também à Associação Comercial e Industrial do Porto Santo (ACIPS) que, de forma célere, tratou de encaminhar a reivindicação do tecido empresarial do sector para o SEF, para a Inspecção das Actividades Económicas e para a Direcção Regional dos Assuntos Fiscais.

As diligências deram frutos. Não no primeiro mês, nem no segundo, mas no terceiro. Não através da Inspecção das Actividades Económicas nem da Direcção dos Assuntos Fiscais, mas através do SEF. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras deteve o comerciante chinês por permanência ilegal no país, levou-o a Tribunal e agora espera-se a sua expulsão. O SOS Racismo estranha esta actuação, acusando o SEF de ceder a pressões populistas.

Fonte: Texto da autoria integral do semanário Expresso

publicado por Alberto Pita às 13:47

comentário:
Estranho, no mínimo…
Não ponho em questão o facto de o homem estar ilegual. Se estava lei é lei e deverá ser cumprida por todos. Agora, o SEF também deveria investigar, os empregados estrangeiros que muitos dos empresários cumpridores dos seus deveres cívicos e fiscais, empregam nos seus negócios… Se calhar muitos iriam ter o mesmo bilhete que o empresário chinês.
Não deixa de ser estranho o facto de esta situação ter ocorrido com estes contornos…
Numa terra e num país de imigrantes, em que se reclama e louva o direitos das nossa diáspora em se estabelecer em países estrangeiros, em montar negócios, constituir família, participar na vida política, ter condições de trabalho condignas, tal situação acontecer é revoltante! Cada vez mais mostra a arrogância, a falta de escrúpulos e o racismo de nós madeirenses, filhos de um povo superior….
Se os chineses não podem abrir lojas lucrativas, quer isto dizer que na "ilha dourada" é vedado o direito de qualquer empresário abrir novos negócios, pois estará a potenciar a falência de negócios mal geridos e moribundos…
Haja honradez, decência e compreensão. Há lugar para todos!
O Vilhão Boque a 15 de Junho de 2009 às 22:25

pesquisar neste blog
 
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12
13

14
17
19
20

21
22
23
26



mais sobre mim