08
Jul 08

O homem que em Fevereiro de 2007 ameaçou fazer explodir três bombas no Tribunal Judicial do Funchal com o objectivo de acelerar a resolução de um caso pendente foi esta segunda-feira condenado a dois anos de prisão, com pena suspensa, escreve a Lusa.

 «Tinha um processo relacionado com um acidente de viação desde 2005 que nunca resolvia, estavam sempre a adiar. Então decidi fazer isto. Os processos agora estão resolvidos e posso seguir com a minha vida», disse Norberto T. à comunicação social depois da leitura da sentença.

«Quanto fiz isso era mesmo para ser identificado, era intencional e no telefonema que fiz da minha casa o inspector da Polícia Judiciária sabe o porquê deste processo», explicou.

Na manhã de 12 de Fevereiro de 2007, através de um telefonema anónimo, o homem ameaçou fazer explodir três bombas no Tribunal Judicial do Funchal, o que levou à evacuação do edifício e à suspensão de julgamentos e outras diligências.

O autor do telefonema acabou por ser identificado e acusado do crime de «coacção contra órgão constitucional», punido com pena de prisão entre um e oito anos. Durante o julgamento o homem decidiu não prestar declarações.

Hoje a juíza Joana Dias, que conduziu o julgamento, afirmou que tinham sido dados como «provados todos os factos», os elementos objectivos e subjectivos constantes da acusação, salientando a «gravidade» do acto do arguido, «as consequências para o funcionamento do tribunal e o aparato que gerou».

Tendo em conta que o arguido não tinha antecedentes criminais, o tribunal condenou-o numa pena de dois anos, suspensa por igual período.

Fonte: Texto da autoria integral da Agência Lusa

publicado por Alberto Pita às 00:01

pesquisar neste blog
 
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13

21

27
29


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

9 seguidores