12
Ago 08

O bispo da diocese do Funchal, D. António Carrilho, está apostado na reintegração plena no clero diocesano do padre José Martins Júnior, que ficou conhecido como ‘o padre vermelho da Madeira’.

O sacerdote, agora com 70 anos, foi suspenso do exercício do múnus sacerdotal a 27 de Julho de 1977, pelo então bispo do Funchal, D. Francisco Santana, devido à sua actividade política, considerada contrária às orientações católicas.

Ordenado em 1962, o padre Martins Júnior foi nomeado pároco de Ribeira Seca em Maio de 1974 e, graças ao apoio incondicional do povo, nunca mais abandonou a paróquia. Nem aquando dasuspensão,em1977,nem aquando da confirmação do "castigo", em Fevereiro de 1985, por D. Teodoro Faria.

Foi presidente da Câmara de Machico pela UDP entre 1990 e 1998, tendo depois exercido funções de deputado, pelo PS, na Assembleia Regional da Madeira.

Como nunca deixou de exercer o múnus sacerdotal e, inclusive, a função de pároco, o Ministério Público, após denúncia, instaurou-lhe, em 1991, um processo crime de "abuso de designação, sinal ou uniforme", conforme a Concordata de 1940. Tinha imunidade como deputado e o julgamento foi agendado para o mês passado. Só que a Concordata foi entretanto revista e o artigo que considerava este crime caiu. O julgamento foi suspenso.

D. António Carrilho, bispo do Funchal desde Outubro do ano passado, foi arrolado como testemunha, mas já fez saber que pretende o regresso do sacerdote e admite considerar válidos todos os sacramentos por ele ministrados.

Fonte: Texto da autoria do Correio da Manhã

publicado por Alberto Pita às 01:07

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


pesquisar neste blog
 
Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


19
20
21
22
23

24
25



mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

9 seguidores

subscrever feeds