07
Out 09
Uma das inaugurações de hoje do presidente do Governo Regional da Madeira no Funchal acabou em confusão, ânimos exaltados e violência física após a chegada de dirigentes do PND, já depois de Alberto João Jardim ter abandonado o local.

O acto oficial de Alberto João Jardim, a inauguração da conclusão da terceira fase das infra-estruturas gerais do Madeira Tecnopolo, aconteceu com a presença de segurança por parte de uma empresa privada, que vedou todo o perímetro da área da iniciativa para impedir a presença de elementos da Nova Democracia que têm perturbado algumas destas acções do presidente do executivo madeirense.

A chegada de Jardim ao local, a sua habitual "marcha inaugural" acompanhada por populares e outras entidades regionais até ao palco dos discursos, as intervenções oficiais decorreram de forma pacífica.

Esta situação levou mesmo o líder madeirense a "pedir desculpa por isto não ter sido tão animado como há dias", numa alusão aos incidentes ocorridos sexta-feira com dirigentes do PND, após a inauguração da nova ligação ao porto do Funchal.

Entretanto, o jornal Público refere que cinco minutos após Jardim ter abandonado o local, uma delegação de dirigentes do PND chegou ao local para se manifestar contra as “inaugurações eleitoralistas” de Alberto João Jardim e o alegado “desrespeito pelo principio da neutralidade e imparcialidade em época de eleições”. Mas os seguranças barraram-lhes a entrada. Após várias tentativas para entrarem no local, o dirigente Eduardo Welsh (PND) aproveitou uma brecha e correu para a zona. Os seguranças agarraram-no e expulsaram-no. Também o deputado Baltasar Aguiar acabou por ser agredido por um individuo que estava junto dos seguranças.

Os elementos do PND enfrentaram a oposição de um grupo de jovens que se intitularam “cidadãos da Madeira Livre” e exibiram cartazes com palavras contra a dirigentes do PND.

“Canha (candidato à câmara do Funchal) foge para o Brasil, a Justiça venezuelana te procura”, “Canha, Baltasar e Welsh, os três artistas do circo fascista”, “Fábrica do Hinton explorou o povo”, “abaixo os herdeiros o Hinton, do Baltasar e padre Lopes”, “abaixo os fascistas da Madeira Velha” eram algumas das frases inscritas nesses cartazes.

Fonte: Diário Digital e Jornal Público

publicado por Alberto Pita às 22:39

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


pesquisar neste blog
 
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
14
16

18
21
23
24

26
28
30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

9 seguidores

subscrever feeds